Katana é Fita Azul na edição da 46ª Regata Volta à Ilha. Confira

Tema:Iatismo
Autor: Redação 360 Graus
Data: 15/12/2014

Durante a semana muito se falou que as chances de quebra de recorde na 46ª Regata Volta à Ilha dependeriam das condições de vento. E foi justamente o que ocorreu, mas de forma contrária. Em uma das edições mais equilibradas e técnicas da competição, o Katana foi o Fita Azul da prova, completando o percurso em 13h50m23s, quase seis horas acima da melhor marca já feita na competição, em condições de vento muita adversas. As disputas foram definidas por uma pequena margem de diferença entre os três primeiros, com domínio dos barcos da Classe C30. Além do campeão, o Zeus, vice, e Corta Vento, 3º, dominaram as disputas pelo título.

Comandando por Fábio Filippon, o Katana foi o primeiro a cruzar a linha de chegada. “A disputa foi fantástica. Os outros dois barcos C30 estão de parabéns. Foram muitas trocas de posição e essa regata foi particular, pois tivemos todos os tipos de vento. Não sei quanto tempo faz que um veleiro de 30 pés não é Fita Azul dessa regata, que é a mais importante do nosso calendário”, comemorou.

A largada ocorreu às 10h com vento nordeste de baixa intensidade. Os veleiros seguiram direção à Barra da Caeira com mudança nas condições para vento Sul de média intensidade. Quando todos acharam que a regata seria tranquila, novamente o vento parou. “Depois da Barra Sul nós achamos que daria até para abrir o balão e que seria tranquilo e rápido, mas não deu. Chegou lá e o vento acabou, voltou nordeste fraco e se estendeu assim até as 16h, 17h, quando começou a trovoada. O vento entrou forte de novo só nos Ingleses”, explicou Fábio.

XIV Regata Ilha do Largo – Ilha de Ratones Paralela as disputas da Volta à Ilha, ocorreu a Regata Ilha do Largo – Ilha de Ratones com percurso mais curto para embarcações de menor porte. O Força 12, do comandante Arno Juk, foi o Fita Azul após 5h35m de prova.

“Essa foi a primeira vez que fiz a regata de dentro, sempre fazíamos a Volta à Ilha. Gostei bastante, foi uma regata tranquila e rápida, acho que valeu muito a pena”, disse Arno Juk. “Tivemos bastante mudança de vento e era preciso estar atento o tempo todo para as mudanças, mas no nosso caso foi relativamente tranquila”, completou.

Ao ser questionado sobre as dificuldades dos veleiros na Volta à Ilha, Arno Juk foi enfático: “A regata de fora vai ser jogo duro e a previsão é para entrar um sul forte a noite. A chegada vai ser difícil e trabalhosa, depois de todo mundo cansado. Eles terão que enfrentar um vento duro”. E foi exatamente o que aconteceu.

Katana, Zeus e Corta Vento definem o título no último contravento: O comandante Arno Juk acertou nas previsões e, após passarem por grandes dificuldades até chegar ao Norte, os veleiros da Regata Volta à Ilha foram mais uma vez desafiados. A intensidade apertou e a prova passou a ser definida nos detalhes. “O C30 tem potencial grande para planar, é um barco que anda rápido com vento em popa e conseguimos abrir distância dos barcos maiores que vinham atrás”, explica Filippon. A partir deste momento a prova começou a ficar ainda mais emocionante, com trocas constantes na liderança.

Foram cinco ou seis mudanças na ponta, até que no último contravento o Katana saiu de 3º para 1º e não deixou mais escapar a ponta. “Nós temos uma tripulação fantástica. Durante toda a regata foram muitas trocas na liderança, com os três barcos se alternando. No final conseguimos ultrapassá-los e marcar a vitória”, finaliza Fábio Filippon, que contou com Rodrigo Lins (Proeiro), André Chang (Trimmer), Fábio Ramos (Timoneiro), Sergio Araújo (Tático), João Machado (Mastro) e Christie Alcântara (2º Trimmer) em sua tripulação.

Segundo colocado na competição, o Zeus terminou apenas 40 segundos à frente do Corta Vento, mostrando o equilíbrio desta edição da Volta à Ilha. “Essa foi uma das regatas mais difíceis que fizemos nos últimos dez anos. Todas as alternâncias de liderança e condições adversas, tornaram a regata muito cansativa, porém muito disputada entre os veleiros C3O. É claro que gostaríamos de ganhar, mas não conseguimos fazer mais no contravento e eles velejaram melhor”, disse Inácio Vandressen, comandante do Zeus.

Nas demais classes, o Melody 5 foi o grande vencedor na ORC Geral; na RGS A o Plancton passou em primeiro, enquanto que na RGS B deu Vendaval V. Na RGS Cruzeiro o Quinval completou na frente e na Visitante melhor para o Bolero 1.

Já na Regata Ilha do Largo – Ilha de Ratones, o Tintiun venceu na RGS C. Na Proa Rasa quem se deu melhor foi o Terra Firme e na Solitário o grande campeão foi o Terral.





© Copyright 1998 - 2012 - 360 GRAUS MULTIMÍDIA
Proibida a reprodução integral ou parcial, para uso comercial, editorial ou republicação na Internet, sem autorização mesmo que citada a fonte.

Compartilhe:


Livros:

Equipamentos:

  • Parati: charmosa, elegante e cheia de histórias de aventuras
    Lugares
    Parati: charmosa, elegante e cheia de histórias de aventuras
  • Parque Nacional de Monte Roraima
    Parques
    Parque Nacional de Monte Roraima
  • Rota dos Sonhos: trilhas, cultura e muita aventura
    Lugares
    Rota dos Sonhos: trilhas, cultura e muita aventura
  • Parque Nacional Marinho dos Abrolhos
    Parques
    Parque Nacional Marinho dos Abrolhos
  • Parque da Restinga de Jurubatiba. Equilíbrio Biológico Global
    Ecoturismo
    Parque da Restinga de Jurubatiba. Equilíbrio Biológico Global
  • Penedo: conheça a bela 'pequena Finlândia' do Brasil
    Ecoturismo
    Penedo: conheça a bela 'pequena Finlândia' do Brasil